terça-feira, 1 de novembro de 2011

A Questão.


Lendo o Finkler Question do Howard Jacobson. No livro Julian Treslove(muito amor, nome genial!), um protagonista alucinado vive "premeditando" sua vida amorosa desastrosa até que a vida bate, literalmente, sua carteira:


"That was what Treslove found most galling. Not the interruption to one of his luxuriating, vicariously widowed reveries. Not the shocking suddenness of the attack, a hand seizing him by the back of his neck and shoving him so hard into the window of Guivier’s violin shop that the instruments twanged and vibrated behind the shattering pane, unless the music he heard was the sound of his nose breaking. And not even the theft of his watch, his wallet, his fountain pen and his mobile phone, sentimental as his attachment to the first of those was, and inconvenient as would be the loss of the second, third and fourth. No, what upset him beyond all these was the fact that the person who had robbed, assaulted and, yes, terrified him — a person against whom he put up not a whisper of a struggle — was . . . a woman. "

Na minha porca tradução:

"Isso foi o que Treslove achou mais irritante. Não a interrupção de um de seus luxuriosos, devaneios obscenamente enviuvados. Nem o choque repentino do ataque, um mão o agarrando pela nuca e o empurrando tão forte contra a janela da loja de violinos Guivier's que os instrumentos ressoaram e vibraram atras do painel estilhaçando, a não ser que a música que ouvira fosse seu nariz quebrando. E nem mesmo o roubo de seu relógio de pulso, sua carteira, sua caneta tinteiro e seu telefone celular, tão sentimental quanto fosse seu apego ao primeiro destes, e inconveniente como fosse a perda do segundo, terceiro e quarto. Não, o que o chateou além de tudo isso foi o fato de que a pessoa que o havia roubado, aracado e, sim, aterrorizado - uma pessoa contra quem ele nem sequer sugeriu uma reação - era... uma mulher."


Jacobson, Howard
"The Finkler Question"
Bloomsbury, 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário